• Áliston Meneses

Prefeito de São Paulo decide se licenciar do cargo para tratar câncer no sistema digestivo


O Prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), decidiu se licenciar do cargo por 30 dias para prosseguir com o tratamento de um câncer no sistema digestivo com metástase óssea. Ricardo Nunes (MDB), vice-prefeito da cidade, deve assumir o comando durante os próximos dias. A Câmara Municipal de SP precisa autorizar a substituição.


"Nesses últimos meses, a vida tem me apresentado enormes desafios. Tenho procurado enfrentá-los com fé, cabeça erguida e com muita determinação. (...) Nesse momento, com muita força e foco que preciso colocar na minha saúde, fica incompatível o exercício responsável de minhas funções como Prefeito de São Paulo, por isso, vou solicitar à Câmara de Vereadores uma licença do cargo pelo período de 30 dias, para me dedicar integralmente à minha recuperação", anunciou Covas em comunicado publicado nas redes sociais.


Em nota, as secretarias de Governo e Comunicação de SP afirmaram que a licença vai ocorrer para que Bruno Covas possa ter “dedicação integral ao tratamento” e para fazer a passagem provisória do cargo com “total transparência".


"Desde que recebeu o diagnóstico da enfermidade, Covas adotou total transparência em respeito à população. Com o surgimento de novos focos, o Prefeito de São Paulo precisará de dedicação integral ao tratamento e entende que não será compatível com as suas responsabilidades e compromisso com a cidade e os paulistanos. Diante do exposto, o ofício com o pedido de afastamento por 30 dias será enviado nesta segunda-feira, 03/05, com base nos Artigos 65 e 66 da Lei Orgânica do Município", conclui nota.


O pedido de licenciamento de Covas será enviando nesta segunda-feira (3) aos vereadores.

Covas havia sido internado no dia 15 de abril para realização de exames, onde descobriu novos focos de câncer nos ossos e no fígado. Ele teve uma piora no quadro de saúde e precisou passar por uma drenagem, após diagnosticado com líquido no abdômen e nas pleuras, tecidos que revestem os pulmões.


De acordo com informações obtidas pelo Portal G1, Davi Uip, médico que acompanha o tratamento do prefeito no hospital Sírio Libanês, Covas será internado novamente ainda neste domingo (2) para iniciar o cronograma de tratamento, que combina sessões de quimioterapia e imunoterapia a cada 15 dias.


Segundo a equipe médica, seu quadro de saúde é estável e não há uma nova previsão do período em que o prefeito ficará hospitalizado.



Histórico


Em outubro de 2019, Covas foi diagnosticado com adenocarcinoma, um tipo de câncer na região de transição do esôfago para o estômago, além de uma metástase no fígado e uma lesão nos linfonodos. Após o diagnóstico, ele iniciou um tratamento de quatro meses de quimioterapia. Em fevereiro do ano passado, exames demonstraram regressão da lesão esôfago-gástrica e da lesão hepática, mas uma biópsia detectou que o câncer nos linfonodos ainda persistia e os médicos decidiram então iniciar uma nova fase de tratamento, baseado em imunoterapia, uma estratégia que permite ao próprio sistema imune do paciente combater a doença.


Exames feitos pelo prefeito em abril de 2020 demonstraram controle da lesão em linfonodos. Já neste ano, em fevereiro, Covas passou por um novo tratamento quimioterápico após os médicos descobrirem um novo nódulo no fígado. E em meados de abril, exames de controle demonstraram novos pontos da doença no fígado e nos ossos.


Com isso, os médicos decidiram dar continuidade ao tratamento com quimioterapia, além de imunoterapia. No dia 27 de abril, ele recebeu alta do hospital, mas seu tratamento contra a doença deverá ser continuado com aplicações de 48 horas a cada duas semanas.




Redação com Agência Brasil


Veja mais notícias no Aconteceu PB.