• Áliston Meneses

Eduardo Costa fala sobre polêmica de nova música: 'Vou continuar gritando enquanto eu tiver voz'

O clipe faz pesadas críticas políticas relacionadas a pandemia do novo coronavírus.


Eduardo Costa passou a receber ameaças depois de lançar sua mais nova música, Cuidado. O clipe da faixa - que faz pesadas críticas políticas relacionadas a pandemia do novo coronavírus - estourou na web, chegando a quase cinco milhões e meio de visualizações em apenas dez dias. Com essa situação, o cantor acabou sendo entrevistado pelo Domingo Espetacular, que foi ao ar no último domingo, dia 9, e desabafou sobre o caso.


O sertanejo conta que a inspiração para compor a polêmica letra veio depois que ele recebeu a notícia de que um de seus amigos havia falecido por complicações da Covid-19, e percebeu que os demais trataram a informação como uma banalidade:


- As pessoas que estavam [comigo no momento] receberam a notícia da morte como algo comum, e é isso que me revolta. Eu falei assim: Gente, é uma pessoa que morreu, uma vida que foi embora, o que é isso? Só que eu notei que não era um problema daqui de casa, era um problema de todo lugar. As pessoas dão notícia de morte como quem dá notícia de vida.


Eduardo também afirma acreditar que a mensagem passada pela letra foi enviada por uma força maior:


- Não tem a ver com a gente isso aqui. Isso é muito mais espiritual do que a gente imagina. Todo o mérito de tudo que nós fizemos até hoje é de Deus.


O cantor ainda fala sobre a decisão de gravar segurando uma Bíblia - o que, juntamente com as menções religiosas da letra da música, acabou gerando indignação:


- Foi a primeira vez [que gravei um clipe com a Bíblia na mão]. Foi uma homenagem, porque em qualquer lugar do mundo, em qualquer lugar que a justiça tem que ser feita, se usa a bíblia, você jura solenemente. A Bíblia está em todos os lugares, porque ela é a voz de Deus aqui na terra. Para se respeitar a lei dos homens, primeiro você tem que respeitar a lei de Deus. Por isso que eu fiz questão de gravar com a Bíblia na minha mão.


Apesar das claras críticas políticas, Eduardo Costa destaca que a letra não teve intenção de atacar um ou outro candidato ou partido político em específico, e sim promover uma reflexão nos eleitores brasileiros sobre as consequências de certas decisões tomadas por aqueles que estão no poder - além de destacar que a intenção da música não é gerar lucro, e sim fazer com que as pessoas pensem mais no futuro.


- Essa música foi feita para o povo do Brasil, pro eleitor. Eu acho que um artista não deve se intrometer na política, tomar partido de um ou outro candidato, isso eu aprendi. Mas eu também aprendi que o artista não pode ficar calado diante de tanta tragédia que está acontecendo no Brasil. Nós perdemos várias pessoas da nossa família nesses tempos, porque alguém construiu estádio e não hospital. Não é dinheiro, não é bem material, é futuro.


Tratando de assuntos tão polêmicos e delicados, era de se esperar que o cantor se tornasse alvo de certas ameaças, mas Eduardo conta que isso não o preocupa particularmente, mas o faz pensar no bem estar de sua família.


- Em poucos dias tinha gente soltando foguete na porta da minha casa, já recebi muitas ameaças através da internet. Eu não estou nem aí pra isso, pra mim é o seguinte: se Deus me deu voz pra gritar, ele vai me proteger também. Eu não tenho medo dessas coisas, pode falar e fazer o que for, a única coisa que eu tenho medo é pela minha família. Agora, quanto a mim, eu vou continuar gritando enquanto eu tiver voz.


Confira o clipe:


Redação


Veja mais notícias no Aconteceu PB.

sr joana.jpg