• Áliston Meneses

CPI vai questionar CBF sobre ida de jogadores argentinos a estádio



O vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou, na noite deste domingo (5.set), que o colegiado solicitará esclarecimento à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) sobre a ida dos quatro jogadores argentinos que desrespeitaram regra sanitária, ao jogo entre Brasil e Argentina que estava previsto para o período da tarde.


"Vamos enviar requerimento à CBF, através da CPI da Pandemia, solicitando resposta para o seguinte: - Com quais autoridades o Governo Brasileiro fez 'acordo' para burlar as regras sanitárias da ANVISA?", escreveu Randolfe no Twitter.


A partida entre as seleções foi interrompida -- após cerca de cinco minutos do início -- por agentes da Anvisa e, depois, o árbitro optou pela suspensão do jogo. Em um novo comunicado divulgado nesta noite, a agência afirma que, às 17h de sábado (4.set), fez uma reunião com o Ministério da Saúde, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo (SES/SP) e representantes da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), da CBF e da delegação argentina, e que já na ocasião foi determinada a quarentena dos atletas argentinos.


Mesmo assim, diz a Anvisa, os jogadores participaram de treinamento na noite de sábado. Na manhã deste domingo, a autarquia comunicou a Polícia Federal (PF), então, e passou a tentar fazer cumprir, com apoio policial, a ordem de quarentena e envio dos atletas ao aeroporto. Porém, não obteve sucesso antes do início do duelo das seleções.


"A decisão de interromper o jogo nunca esteve, nesse caso, na alçada de atuação da Agência. Contudo, a escalação de jogadores que descumpriram as leis brasileiras e as normas sanitárias do país, e que ainda prestaram informações falsas às autoridades, isso sim exigiu a atuação da Agência de estado a tempo e a modo, ou seja, de maneira tempestiva e efetiva", pontuou a Anvisa.


Também no novo comunicado, ela acrescenta que os quatro jogadores argentinos entraram no Brasil às 8h de 6ª feira (3.set) e que no mesmo dia identificou a falsidade das informações apresentadas por eles para fazê-lo, comunicando, na noite daquela data, o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde Nacional (CIEVS/MS), o Ministério da Saúde e a SES/SP.


No estádio, após a interrupção da partida, os atletas irregulares se recusaram a assinar a notificação para que retornassem imediatamente ao país de origem. Dessa forma, a PF foi acionada novamente para tomar providências. O Ministério da Saúde disse apoiar a decisão da Anvisa de suspender o jogo, e a CBF, que foi surpreendida pelo momento da ação da agência.





Redação com SBT News


Veja mais notícias no Aconteceu PB.

cartão logo.jpg
giphy.gif