• Áliston Meneses

Brasil fez 24 milhões de testes de covid em um ano de pandemia



A Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), apresentou nesta quinta-feira (25.fev) dados sobre o primeiro ano da pandemia de covid-19 no Brasil.


Após o início da doença, há um ano, a Abramed constatou certa negligência da população com outras doenças. E tal reação gerou os seguintes problemas: o número de mamografias caiu pela metade, a cobertura vacinal de crianças está baixíssima, o que pode provocar novas pandemias após a covid, como febre amarela, difteria e sarampo.


A entidade informou também que foram realizados até dezembro do ano passado 23,6 milhões de testes para detectar a covid-19 e que houve um aumento de 554 mil beneficiários de planos de saúde entre dezembro de 2019 e dezembro 2020.


Celso Granato, médico e diretor clínico do Grupo Fleury mostrou preocupação do setor com as mutações do novo coronavírus. Segundo ele, as novas variantes da covid encontradas na África do Sul e no Brasil podem apresentar resistência ou até imunidade às vacinas. Ou seja, "não é possível dizer ainda que as novas variantes podem ser combatidas com as vacinas que já possuímos", concluiu.


Também não há como falar em proteção de rebanho. O epidemiologista José Geraldo Leite Ribeiro disse que "Não é possível dar a garantia de que quem tomou a vacina está imune ao coronavírus".



Redação com Sbt News


Veja mais notícias no Aconteceu PB.

sr joana.jpg